18.4.07

veres, verdes, vedes

e, no silêncio, consumou-se, quem sabe?, o ato final da infeliz ópera da vida da atriz enganada - pela vida, pelas promessas do ano novo feliz, do novo recomeço, da chance de acreditar. o escritor, em suas novas faces, mais uma vez, egoísta, só se preocupou com a sua velha arte - a da dissulação, da confusão, da impossibilidade de, apenas, expressar aquele que realmente sente. e nisso, o ato final se fecha, a cortina baixa, sem o close-up. norma, sozinha no jardim, ainda chorando o enterro do macaquinho morto, smplesmente, espera um novo ano novo. e, ao mesmo tempo, acredita -- sempre -- que ele vai voltar...

2 Comments:

Anonymous lygia said...

joe nunca se entregou...
"comprometimento", se fosse de vender, só dava prejuízo hoje em dia.
"dedicação" então...

1:02 AM  
Blogger Adeilma said...

Imagine devoção...

12:32 AM  

Postar um comentário

<< Home